texto aqui
texto aqui
jun 24, 2010

Posted by in Superação | 0 Comments

>Camila Lima

>

Meu nome é Camila, sou moradora de Vila Isabel, zona norte do Rio de Janeiro. Antes do acidente, levava uma vida como qualquer adolescente típica da classe média andava de skate, patins, bicicleta e adorava andar a cavalo. Alegre, brincalhona, sorridente, fazia ginástica olímpica, natação, sapateado e tinha sonho de ser modelo.
Estudei, desde de pequena, no Colégio Nossa Senhora de Lourdes, onde participava das festas, dos jogos e dos eventos que a escola oferecia.

 Em 3 de setembro de 1998, aos doze anos, fui atingida por uma bala perdida que se alojou na minha coluna cervical me deixando tetraplégica. O acidente foi noticia nacional e internacional.


Meu Acidente
Até hoje não consegui entender direito a confusão daquele três de Setembro de 98, quando fui atingida por uma bala perdida! Lembro apenas que fui, repentinamente, jogada ao chão sem chances de defesa, sem sentir o meu corpo e sem poder correr atrás de minhas outras amigas da escola que gritavam por mim. Só fui descobrir o que havia acontecido no dia seguinte, no leito da UTI do Hospital Salgado Filho. 

Naquele dia, era a primeira vez que meus pais permitiam a minha saída sem eles, eu e minha amiga saímos da escola com o plano de passar na papelaria e fazer o trabalho na casa dela, só que infelizmente, fizemos o mesmo caminho escolhido pelos assaltantes da joalheria “Tzipora” que fugiam perseguidos pelos seguranças contratados pelos lojistas do bairro. A rua estava movimentada de crianças saindo de vários colégios, assim como eu. 
Foi tudo muito rápido! Num corre-corre e sem ter tempo de perceber o perigo, fui atingida por uma bala perdida pensando que o barulho fosse de bombinha de festa junina. De repente todos os meus sonhos ficaram distantes! Fui brutalmente atingida física e emocionalmente, numa fração de segundos aquela criança sorridente de momentos atrás estava imóvel no chão com os olhos arregalados e o semblante assustado. Essa cena foi vista pelo Brasil inteiro e chocou o país. Nunca mais nos esqueceremos dela.
Fui amparada por várias pessoas até a chegada de uma ambulância, que primeiramente me levou ao Hospital Souza Aguiar. Como o equipamento que precisava estava com defeito, fui transferida para o Hospital Salgado Filho, onde fui muito bem atendida e operada pela equipe brilhante de neurologistas. Enfrentei muito bem a cirurgia mas, infelizmente, a bala havia atingido a minha medula deixando-me tetraplégica. Minha vida, bem como a de meus pais, familiares e meus amigos virou de cabeça para baixo. Mesmo assim eu acreditava que poderia voltar o quanto antes para o colégio. Que nada…

Um Mês depois do acidente
Um mês depois do acidente, saí do hospital para a ABBR – Associação Brasileira Beneficente de Reabilitação, onde permaneci interna durante um ano juntamente com a minha mãe. Lá eu me sentia segura e protegida, havia uma infra-estrutura e o corpo médico era competente e especializado. Na ABBR adaptei-me à nova vida presa à uma cadeira de rodas. Até hoje continuo ligada a eles, não só pelo acompanhamento médico da Dra. Ana Luiza, autoridade máxima em raquimedular do Rio de Janeiro a quem conheci lá, como também pela amizade que tenho com todos.


Meus Tratamentos
Sem nenhuma pretensão de ditar regras, relato a minha experiência a título de apoio as outras vítimas, ressaltando que cada lesão tem um comprometimento e cada pessoa reage diferente. Tudo que vivenciei foi porque a minha mãe aprendeu na ABBR e pesquisou na Biblioteca sobre lesão medular, e decidiu experimenta-las. Os progressos devem-se a combinação das medicações, das fisioterapias e bom ânimo.
Clique aqui e veja o ONDE PROCURAR AJUDA. 

Fisioterapia Tradicional 

É a fisioterapia mais comum, ministrada no leito. Seu objetivo é readaptar o paciente aos seus movimentos normais.

Fisioterapia de Solo

É um trabalho de fortalecimento muscular, feito com a ajuda de aparelhos, onde a repetição exaustiva é a tônica do tratamento.

Hidroterapia (Piscina terapêutica)

A Hidroterapia ou Piscina Terapêutica, é um recurso Fisioterápico que contribui na reabilitação realizado exclusivamente pelo fisioterapeuta, de forma individual, em piscina coberta e aquecida.

Hipoterapia ou Equoterapia

A Hipoterapia é uma técnica de reabilitação através do cavalo, indicada para portadores de patologias ligadas ao sistema nervoso central. Essa técnica proporciona grandes benefícios psicológicos quanto na parte motora. Na parte psicológica ela traz uma melhora na auto-estima do paciente e um aumento da sua auto-confiança. A sensação de liberdade que o paciente experimenta em cima do cavalo não é comparável a nenhum outro tipo de tratamento.  

A Técnica do Ímã

Essa técnica é tão revolucionária que até hoje a comunidade científica torce o nariz para ela. Aqui no Brasil, por exemplo, a técnica do ímã é vista com muitas reservas e utilizada apenas por alguns especialistas. E mesmo assim em caráter experimental, pois os especialistas se recusam a aceitar essa idéia porque como sempre prova a história, tudo aquilo que é revolucionário, derrubando velhos tabus e conceitos tradicionais, é sempre muito contestado antes de ser aprovado.

Crânio Sacral

Essa terapia foi assim denominada porque envolve todos os ossos do crânio, face e boca, se estendendo num sistema hidráulico e de membranas até o final da coluna ou o sacro.
Como a terapia Crânio-Sacral está diretamente ligada ao cérebro e ao liquor da medula espinhal, ela é especialmente benéfica para aqueles que sofreram lesões na cabeça e/ou coluna, originadas por acidente de carro, esporte, trabalho ou quedas.

Cinesiologia Aplicada ou Técnica do Balanceamento Muscular.

A Cinesiologia é a técnica que ajuda o homem a equilibrar as energias com os mesmos princípios básicos da acupuntura onde, a única diferença é que, ela utiliza-se de simples testes musculares que ajudam na prevenção e no tratamento de distúrbios emocionais (depressão, fobias e alergias); de aprendizagem; físicos( doenças ortopédicas e reumáticas em geral, câncer e esclerose múltipla) e energéticos.  

Tratamento com estímulo elétrico (F.E.S)

Através de um aparelho, o ELA Stim 4000, utiliza-se a estimulação elétrica isolada de músculos parcialmente paralisados, visando a reeducação do padrão normal de movimento e fortalecimento como terapia complementar à cinesiologia.

Bicicleta ergométrica por estimulação elétrica funcional. (Cicloergometria)

A Cicloergometria através da Bicicleta ERGYS I, utiliza-se de uma ESTIMULAÇÃO ELÉTRICA FUNCIONAL (FES, do inglês funcional elctrical stimulation) computadorizada a fim de produzir a contração muscular nos membros inferiores de pessoas vítimas de paraplegia ou tetraplegia por lesão medular. O imobilismo secundário à paralisia traz consequência indesejável à saúde do paciente, que podem e devem ser minimizados. A realização desta cicloergometria com FES, a exemplo de qualquer atividade física, traz benefícios à saúde de todo o organismo, além de minimizar os efeitos danosos da paralisia.  Terapia por Eletromiografia (EMG) – Biofeedback – Treinamento do comando eferente.


Minha Esperança
Graças a combinação de várias técnicas, medicamentos, e principalmente, da minha determinação, passei de tetraplégica completa para incompleta.
Recuperei os movimentos dos membros superiores, equilíbrio de tronco e consigo ficar em pé, com um estabilizador e perambular com o andador.
Fiz, em setembro de 2006, o implante de células tronco olfativas retiradas da mucosa nasal. Técnica pioneira que é realizada em Lisboa, Portugal com uma equipe coordenada pelo neurocirurgião Dr. Carlos Lima.
Para uma recuperação mais evidente das minhas funções motoras e sensitivas preciso de um tratamento intensivo e regular num centro com experiência com os pacientes operados na medula como é o Centro Giusti, em Florença-Itália, onde outros pacientes lograram êxito e o meu sonho pode se transformar em realidade.
 Cada vez que vou para o Centro Giusti, ganho domínio corporal, facilidade na marcha e equilíbrio de tronco. Experimento novas sensações físicas e emocionais promovendo a confiança de restabelecimento. A medida que vou evoluindo  eles vão retirando os acessórios de apoio.   É inacreditável a evolução.
Tenho certeza que com a continuidade dessa técnica conseguirei voltar a andar.
Em outubro  de 2009, fui a Clínica Fisioaction (www.fisioaction.com.br), em Campo Belo – São Paulo. Fiquei impressionada com a experiência e coragem do fisioterapeuta Enio que utiliza a técnica de Cuba com a do Projeto Walk. Com essa combinação os benefícios são significativos para me ajudar no caminhar.
Essa é a minha esperança!

Minhas Viagens
A minha primeira viagem foi para  Heidelberg, na Alemanha. Fui avaliada pelo Dr. Lothar Teuber que iniciou o tratamento com a técnica de estímulo na medula (voyata e crânio sacral) e revezamento de exercícios de solo e barra. Cada dia eu conseguia cumprir minhas tarefas e, com isso, ele ousava e exigia mais, até que eu conseguisse ficar em pé sozinha na barra, com o imobilizador de joelhos. Retornei mais umas duas vezes  mas o tratamento ficou comprometido por falta de recursos financeiros.
Depois, em 2006, fui para Lisboa-Portugal e fiz o implante de células tronco olfativas no Hospital  Egas de Moniz (www.hegasmoniz.pt), com o Dr. Carlos Lima. Os resultados surgem depois de um a dois anos e necessita de um tratamento intensivo na clínica Giusti, em Florença-Itália.  Esse Centro é especializado em pós operados de medula. Utilizam o método R.I.C.  (Reabilitação Intensiva e Contínua). Eu deveria ir ao Centro Giusti uma vez ao ano e permanecer por  três meses. Meus pais tomaram um empréstimo de 35.000 Euros para pagar a cirurgia. O Juiz indeferiu a “Tutela Antecipada”.
 Fui ao Centro Giusti, na Itália e fiquei encantada com a metodologia usada.  É o que eu sempre desejei, ficar em pé e andar sem o tutor. Vocês podem conferir a minha evolução nas fotos ou no vídeo do próprio Centro (www.centrogiusti.it). Os benefícios são tantos que fico motivada em continuar o meu tratamento e lutar para que a metodologia seja adotada no Brasil.
Todas essas viagens foram patrocinadas por pessoas desconhecidas que ficaram sensibilizadas com o meu empenho e vontade de voltar a andar.
Notícias de  Portugal
A cirurgia de implante de células tronco olfativas (técnica pioneira no mundo) que fiz, em 30 de Setembro de 2006, no hospital Egas de Moniz, com o neurocirurgião Dr. Carlos Lima, foi ótima, ocorreu tudo conforme previsto.O hospital cobra, para estrangeiros, 35 mil EUROS. Meus pais assumiram essa dívida (fizeram um empréstimo) para eu não perder a oportunidade.
Noticias do Centro Giusti

Foi gratificante a fisioterapia R.I.C. (reabilitação intensiva e contínua) no Centro Giusti. Fiz em junho 20 sessões e melhorei tanto no físico como no emocional. Ganhei força motora, massa muscular e leve movimento nas pernas. Os equipamentos são funcionais e a metodologia diferente da nossa. Eles trabalham o corpo inteiro e colocam o paciente em pé, seja qual for o nível de lesão. Com um andador especial pude fazer a marcha sem o tutor. Essa é a grande diferença – trabalhar as pernas com os joelhos livres.

A Adriana e Grace, são fisioterapeutas que foram comigo e ficaram encantadas com a técnica ousada. O tempo foi pouco mas o suficiente para aumentar a esperança de voltar a andar.


Graças a generosidade de vários empresários, que contribuíram com recursos financeiros, tive a chance de ir para Florença e melhorar os meus movimentos. Meus agradecimentos a todos
Saúde e muita paz!


Camila



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Facebook Twitter Email